A quantas anda a Agenda Mínima da Saúde no Pará

24/02/2013 às 15:15 | Publicado em Saúde, Uncategorized, Waldir Cardoso | Deixe um comentário
Tags: , , , , , , , , , , ,

PactoNa semana passada publiquei post cobrando informações sobre o andamento da implementação da Agenda Mínima da Saúde no Pará definida pelo governo do estado em 2011, impressa e distribuída. O Secretário de Saúde, Dr. Helio Franco, encaminhou  algumas informações que divido com vocês.

Relata que o estado teve imensos problemas financeiros e orçamentários tanto em 2011 como em 2012. Exemplifica a quebra da CELPA e diminuição significativa do FPE (redução do IPI ) e aumento das demandas judiciais. Tudo isso somado à falência dos serviços de saúde de responsabilidade do município de Belém, nos últimos 8 anos, que aumentou a sobrecarga de média e alta complexidade. Lembra que do crédito de 900.000.000 (novecentos milhões) para média e alta complexidade a Programação Pactuada e Integrada (PPI) destinará, em 2013, para o estado (Sespa) só 200.000.000 (duzentos milhões). E setecentos milhões para os 144 municípios.

Quanto aos itens da Agenda Mínima, informou o Dr. Helio:

1) Os dois hospitais regionais propostos serão construídos em Itaituba e Castanhal. Além destes o governo acrescentou mais dois. Um será o Hospital de Integração de Capanema e o novo Abelardo Santos, em Icoaraci, batizado de Abelardão, com 200 leitos. Todos já estão com recursos assegurados. O Secretário esqueceu que o governo comprou e instalou o Hospital Jean Bitar para dar retaguarda à Santa Casa, na Neonatologia, e para o Ofir Loyola, em Clínica Médica e Cirurgia Geral. Ressalto que a contrução do novo Abelardo Santos substitui com folga um dos itens da Agenda que era “Reforma, novos equipamentos e adequação do Hospital Abelardo Santos”;

2) Os hospitais municipais que estão, no momento, em processo de requalificação são os dos municípios de  Afuá, Bagre, Garrafão do Norte, Abaetetuba, Barcarena, Salvaterra, São Felix do Xingu. Sete dos 20 propostos;

3) O novo Hospital da Santa Casa será concluído mês que vem (março). Informa que houve necessidade de alterar o projeto original assim como de arcar com mais recursos financeiros para terminar a obra e equipá-lo;

4) O Oncológico Infantil é um projeto de 2003 e que teve o seu projeto refeito. Lembra que a construção ficou parada durante o Governo da Ana Julia mas não faz referencia a previsão de conclusão;

5) O centro de Hemodiálise Dr. Monteiro Leite foi implantado e além disso foram ampliados os Centros de Hemodiálise de Santarém, Altamira e Redenção. Além disso foram instalados Centros de Hemodiálise em Bragança (cujas maquinas estavam encaixotadas desde 2006) e o Centro de Hemodiálise Infantil da Santa Casa;

6) As obras de ampliação do Hospital Ofir Loyola estão em andamento assim como a instalação de novos equipamentos. Aproveita para notificar que o governo instalou e colocou em funcionamento os leitos da CTI coronariana do Hospital de Clínicas Gaspar Viana;

7) Com relação à atenção básica informou que o incentivo financeiro (Pabinho) não produziu os efeitos esperados e que a SESPA está implementando um processo de “planificação” que visa produzir eficiência e efetividade. Recomenda que eu examine os dados das endemias no ano de 2011 para verificar as melhorias dos indicadores dos seguintes agravos: Malária, hanseniase, tracomatose, leishmaniose, chagas, dengue, hantavirose, leptospirose e tuberculose. Afirma que todos melhoram fruto do intenso trabalho da SESPA junto aos municípios.

Em sua manifestação o Dr. Helio Franco não fez referência a três itens que constam na agenda mínima: Implantação de 10 UPAs; Três novos Centros para Dependentes Químicos e a Interiorização do Hemopa.

Não resta dúvida que o investimento do governo em média e alta complexidade é substancial. E esta é a principal responsabilidade dos estados e temos que reconhecer que diante das dificuldades financeiras que o Pará enfrenta não é pouco o que já foi feito. Faço a sugestão que a SESPA produza um relatório circunstanciado da implementação da Agenda Mínima da Saúde, a partir do Relatório Anual de Gestão que é apresentado ao Conselho Estadual de Saúde. Só que com linguagem e formatação mais simples para que a população entenda. Pode ser feito em PDF e distribuído por meio eletrônico. Impresso em um folder poderia ser entregue como prestação de contas para Conselhos Municipais de Saúde, para entidades da Sociedade Civil Organizada e para órgãos do próprio governo. A íntegra da manifestação do Dr. Helio pode ser lida AQUI, nos comentários abaixo da matéria original.

Anúncios

Agenda mínima da saúde no Pará

17/02/2013 às 9:42 | Publicado em Cidadania, Política, Saúde | 7 Comentários
Tags: , , , , , , , , , ,

PactoEm 2011, o governador Simão Jatene editou e lançou na chamada “Agenda Mínima” denominada na capa do documento “Pacto pelo Pará”. Iniciativa extremamente positiva e corajosa que ele já havia implementado no seu primeiro governo. Trata-se de publicizar no início do governo quais as iniciativas e obras que o gestor eleito considera o  mínimo a fazer durante seu mandato. Para além das promessas de campanha o governador apresenta à sociedade e assume o compromisso de realizar.

À cidadania cabe a tarefa de acompanhar e cobrar estes compromissos assumidos. Neste sentido vou publicar quais as obras prioritárias, na área da saúde, que o Governo Jatene assumiu no referido documento e os respectivos valores a serem empregados, considerando que só restam dois anos de mandato.

PACTO PELO PARÁ

AGENDA MÍNIMA

SAÚDE

2011 – 2014

1) Construção de dois hospitais regionais (R$ 120.000.000,00)

2) Implantação de 10 UPAs nas mais diversas regiões (R$ 30.000.000,00)

3) Reestruturação e requalificação de 20 hospitais municipais (R$ 90.000.000,00)

4) Implantação de 3 novos Centros Especiais para Dependentes Químicos (R$ 15.000.000,00)

5) Conclusão e equipamentos para o novo Hospital da Santa Casa (R$ 100.000.000,00)

6) Conclusão e equipamento do Hospital Oncológico (R$ 50.000.000,00)

7) Implantação do Centro de Hemodiálise (R$ 10.000.000,00)

8) Interiorização do Hemopa ( R$ 12.000.000,00)

9) Ampliação e novos equipamentos para o Hospital Ofir Loyola (R$ 40.000.000,00)

10) Reforma, equipamentos e adequação do Hospital Abelardo Santos (R$ 20.000.000,00)

Total  a ser investido: R$ 487.000.000,00

SAÚDEO documento diz que o governo vai “investir pesado na saúde”. O valor representa pouco mais de 10% dos R$ 4.550.000.000,00 que o governo pretende investir em todas as áreas na gestão. Mais que isso, o que me chamou atenção foi o investimento zero em apoio às ações de atenção primária. Reconheço que o governo estadual tem como responsabilidade prioritária a atenção de média e, particularmente, a alta complexidade. Mas nada destinar de recursos em apoio aos municípios para que estes invistam em ações de atenção primária não me parece razoável. Denota que o governo vai “investir pesado” apenas para tratar doenças.

Isto é um claro retrocesso em relação ao governo anterior capitaneado pela ex-governadora Ana Julia Carepa, do PT. Sensível ao apelos da sociedade civil organizada, a governadora instituiu um apoio financeiro mensal aos municípios – fundo a fundo – para ações de atenção primária mediante o atingimento de metas definidas de forma pactuada. É o que nós chamávamos de “pabinho”. Corruptela do PAB – Piso da Atenção Básica – repassado pelo governo federal aos municípios. O governo Jatene suspendeu o repasse do pabinho sem maiores explicações perdendo a oportunidade de discutir e induzir ações de atenção primária.

A quantas anda a implementação da agenda mínima da saúde? É o que este post pretende provocar. Vamos buscar a resposta juntos! Olhando de fora me parece que o Centro de Hemodiálise, funcionando na rua dos Mundurucus, foi a única das 10 iniciativas que já foi concluída. E as outras?

O “Pacto pelo Pará” está publicado, na íntegra, no Blog da Professora Edilza Fontes e pode ser acessado AQUI.

  Fonte: Blog da Professora Edilza Fontes                       

No Pará, portadores de hidrocefalia amargam falta de leito para cirurgia

12/02/2013 às 0:57 | Publicado em sindmepa | Deixe um comentário
Tags: , , , , , , , , , , , ,

Crianças portadoras de hidrocefalia (doença que se caracteriza pelo aumento do líquido conhecido como líquor no interior da cabeça) atendidas pelo sistema público de saúde, convivem com um drama a mais no Pará: a falta de leitos nos hospitais referenciados para cirurgia. Para discutir o problema, o diretor do Sindmepa, Wilson Machado, participou de uma reunião com a chefe da coordenação estadual de saúde da criança, Ana Cristina Alvarez Guzo.

A coordenadora destacou que um dos problemas que emperra o atendimento e a realização de cirurgias em crianças com hidrocefalia na Santa Casa de Misericórdia, um dos hospitais referenciados para a especialidade, é o fato do hospital não ser credenciado junto ao Ministério da Saúde para atender este tipo de paciente.

Outro problema é a falta de eficácia da regulação, o sistema de distribuição de leitos na rede hospitalar. “A regulação não funciona, ficando cada hospital livre para fazer sua própria agenda. Então, cada um dá prioridade para os seus próprios pacientes”, explicou Ana Cristina Guzo.

A falta de uma equipe exclusiva para atendimento dos pacientes com hidrocefalia, como anestesista, já que a casa só dispõe de três profissionais nessa especialidade, e a falta de equipamentos adequados também contribui para agravar o problema dos portadores de hidrocefalia.

Só na Santa Casa de Misericórdia, mais de 80 pacientes estão na lista de espera para fazer a cirurgia. O alerta para o drama das crianças a espera de leito para cirurgia foi dado pelo auxiliar administrativo André Maciel, que denunciou ao Sindmepa estar há quatro anos na fila de espera para a realização de uma cirurgia no filho de 4 anos que nasceu com o problema.

Fonte: SINDMEPA                                        

CFM propõe ação de combate ao Escalpelamento

05/02/2013 às 20:26 | Publicado em Movimento médico, Waldir Cardoso | 2 Comentários
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

EscalpeParticipei ontem de importante reunião da Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Conselho Federal de Medicina (CFM). Esta Comissão é presidida pelo Dr. Henrique Batista, Secretário Geral do CFM, e Coordenada pelo médico Ricardo Paiva, ícone da luta pelos direitos sociais no movimento médico.

Com o objetivo de diminuir os casos de escalpelamentos na região Norte do país, a CAS organiza uma campanha publicitária sobre o assunto. Deste novo encontro participaram representantes da Secretaria de Estado da Saúde do Pará, da Marinha Brasileira, do Ministério da Educação, e da Associação de Vítimas de Escalpelamento.

O objetivo é orientar a população ribeirinha a se transportar com segurança. A proposta é trabalhar de forma articulada a fim de prevenir acidentes desta origem, que fez centenas de vítimas, nos últimos anos, nos estados do Pará e Amapá. Só no Pará foram 391 vítimas desde 1979.

 O esclapelamento é causado pelo eixo que transfere a força do motor à hélice e que passa pelo meio dessas embarcações. Como em muitas delas a engrenagem não é coberta por nenhum tipo de proteção, o escalpelamento acontece quando os cabelos da passageira se enroscam no eixo, que continua a girar, arrancando o couro cabeludo.

 A proposta do CFM é mostrar a importância das mulheres prenderem o cabelo nessas viagens. A campanha também incentivará os barqueiros a cobrirem o eixo motor, ação gratuita e realizada pela Marinha. Entretanto por medo de represarias os donos dos barcos acabam fugindo da fiscalização.

O setor de Comunicação do CFM apresentou a proposta de mídia para a campanha. A atriz paraense Dira Paes aceitou ser a “madrinha” da campanha e vai gravar sua participação, gratuitamente, logo após o final das gravações da novela que, neste momento, lhe toma todo o tempo disponível. Foi apresentado modelo de cartaz que serão distribuídos nos estados do Pará e Amapá.

Presentes, a Sra. Socorro Silva, Coordenadora de Mobilização Social e a enfermeira Dione Cunha, Diretora Pública de Atenção Integral à Saúde, representantes da Secretaria Estadual de Saúde do Pará, apresentaram o Programa de Prevenção de Escalpelamento por acidente de motor da Secretaria de Saúde do Pará e informações sobre o histórico de trabalho da SESPA no enfrentamento do problema. Apresentaram a portaria de 2008 que criou a Comissão Estadual de Erradicação dos acidentes com escalpelamento no Estado do Pará e os avanços obtidos até o momento com o trabalho. O estado do Pará tem 391 casos catalogados e atendidos desde 1979.

Por fim foi proposto, e aprovado, que a campanha será desencadeada tão logo o vídeo e áudio sejam gravado com a atriz Dira Paes e o material impresso esteja pronto. Todo o financiamento será responsabilidade do Conselho Federal de Medicina. Aprovamos também solicitar audiência com o Ministro da Saúde e articular a realização de audiência pública na Câmara dos Deputados.

A iniciativa é uma demonstração cabal do compromisso do CFM e dos médicos com a saúde pública, particularmente, daqueles que mais precisam.

Fonte: CFM                                    

Silvia Cumaru sai da SESPA

08/10/2010 às 13:17 | Publicado em Política | Deixe um comentário
Tags: , , , ,

A saida da Drª Silvia Cumaru da SESPA, “por razões pessoais”, em pleno segundo turno da campanha eleitoral deixa no ar muitas dúvidas. Que razões pessoais seriam tão fortes para que uma profissional competente e pessoa seríssima como é a Drª Silvia. Foi uma secretária que imprimiu um ritmo forte e decidido na SESPA. Estabeleceu um relacionamento muito positivo com o SINDMEPA.

Dou  os parabéns à colega Silvia pelo seu desempenho e esforço. Parabenizo-a também pela coragem que teve em entregar o cargo neste momento. Imagino quais sejam as suas razões. Se uma imagem vale por mil palavras, um gesto como este vale por um livro inteiro.

Como diz o adágio popular “para bom entendedor, meia palavra basta”. Que dirá um livro…

Gripe A: a segunda onda chegou

26/02/2010 às 0:03 | Publicado em Saúde, sindmepa | Deixe um comentário
Tags: , , , , , , , ,

Conforme alertado insistentemente por médicos, pesquisadores e entidades como o SINDMEPA, a segunda onda de casos da Gripe H1N1 chegou ao Pará. O aumento de casos em fevereiro foi exponencial em relação aos últimos meses conforme demonstra comunicado distribuido pela Secretaria de Estado de Saúde Pública do Pará (SESPA): H1N1 Comunicado da SESPA FEV 2010

Infelizmente medidas importantes reclamadas pelo Sindicato dos Médicos não foram implementadas ou foram realizadas de forma tímida. Alerta às autoridades e à população neste sentido foi divulgado no segundo semestre de 2009, aprovadas no Conselho Estadual de Saúde, mas não implementadas a contento. veja aqui: Gripe H1N1 – Nota SINDMEPA

A SESPA distribuiu também alerta aos profissionais de saúde atualizando as orientações técnicas para o enfrentamento da pandemia. Recomendamos aos colegas médicos e demais trabalhadores de saúde leitura atenta e todo cuidado no atendimento de pacientes suspeitos. Não podemos mais perder vidas humanas. Conheçam as orientações: Alerta Influenza A aos Profissionais de Saúde FEV 2010

Fonte: SESPA

Reunião ordinária da Comissão Intergestores Bipartite do Pará

26/01/2010 às 18:43 | Publicado em Saúde | 1 Comentário
Tags: , , , , , ,

A Comissão Intergestores Bipartite que é composta por representantes dos municípos e do governo do estado através da secretaria de estado de Saúde Pública terá reunião ordinária amanhã. Divulgo a pauta que acabei de receber do Conselho Estadual de Saúde.

Local: Auditório Luiz Geolaz de Macedo Moura Carvalho – “Hospital Ofir Loyola”.
Endereço: Av. Magalhães Barata.
Data: 27/01/2010.
Hora: 15:00 horas

PAUTA:
– Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde – PET-Saúde da UFPA e UEPA/2010-2012.
Expositor: UFPA e UEPA.
– Rede Estadual de Laboratório de Saúde Pública.
Expositor: Coordenação de Vigilância em Saúde/SESPA.
– Orientações para Elaboração do Plano de Ação Municipal de Vigilância Sanitária.
Expositor: Departamento de Vigilância Sanitária /SESPA.
– Pleitos de Equipes de Saúde da Atenção Básica:
a) Pleitos de Implantação/Expansão de EACS/ESF e NASF dos Municípios de Acará, Belterra, Brasil Novo , Maracanã, Santa Izabel do Pará, Santo Antônio do Tauá e Tucuruí.
b) Pleito de Expansão de Equipe de Saúde Bucal no município de Santo Antônio do Tauá
Expositor: Coordenação Estadual /DT/SESPA.
– Projeto de Curso da Redução Mortalidade Infantil no Estado do Pará.
Expositor: ETSUS /SESPA.
– Repactuação dos Recursos da Educação em Saúde 2007/2008.
Expositor: DT /SESPA.
– Protocolo de Atendimento do Serviço de Resgate Aeromédico e Regulação Médica.
Expositor: Coordenação de Urgência e Emergência/DT/SESPA.
– Pactuação da Assistência Farmacêutica Básica/Portaria GM/MS n° 2.982 de 26/11/2009.
Expositor: Coordenação Estadual/DT/SESPA.
– Remanejamento de Teto Financeiro de MAC do Estado, no valor de R$ 1.300.700,00, para Aquisição de Equipamentos para Unidade Coronariana do Hospital de Clinicas Gaspar Vianna e do valor de R$ 1.500.000,00 para Aquisição de Equipamentos Novo Pronto Socorro Municipal de Santarém.
Expositor: SESPA.
TEXTO Completo: Pauta da CIB 27-01-2010

Censura prévia no Conselho Estadual de Saúde?

22/01/2010 às 17:40 | Publicado em Cidadania, Saúde, sindmepa, Waldir Cardoso | 11 Comentários
Tags: , , , , , , , , , , ,

Em fevereiro de 2009 escrevi um post aqui com o título: “A caixa preta do Hospital Regional Oeste do Pará”. O post critica a falta de acesso da sociedade à informações sobre os contratos e funcionamento daquele hospital, localizado no município de Santarém, construído e equipado pelo governo de Simão Jatene e colocado para funcionar no governo de Ana Julia. Em 15 de dezembro do mesmo ano publico outro post sobre o mesmo assunto: “Aberta a caixa preta do Hospital Regional Oeste do Pará”. Este segundo post causou celeuma no Conselho Estadual de Saúde. Tenho que contar uma história para você possa entender a polêmica.
As mudanças que permitiram o título do segundo post foram: o PT passou a administrar a saúde no estado com a Drª Silvia Cumaru a frente da SESPA e; a posse e pleno funcionamento do novo Conselho Estadual de Saúde – CES – após a aprovação da lei e democrático processo de eleição.
O Sindicato dos Médicos do Pará – SINDMEPA – passou integrar o novo Conselho e eu fui indicado como membro titular com o Dr. Luis Sena Fonseca como suplente. No processo de organização interna do Conselho, comissões de trabalho foram criadas. Passei a integrar a Comissão de Acompanhamento da Gestão Estadual em Saúde e fui eleito, pelos meus pares, para coordena-la. Creio que em reunião do CES realizada no mês de outubro de 2009 recebemos a visita de integrantes do Conselho Municipal de Saúde de Santarém. Vieram reclamar do fechamento de serviços e redução do repasse de recursos para o Hospital Regional Oeste do Pará – HROP – exigindo posição do CES. O plenário do CES deliberou designar à Comissão de Gestão a tarefa de avaliar o que estava ocorrendo no HROP e apresentar parecer.
A Comissão de Gestão foi a Santarém no final de outubro. Três Conselheiros na delegação: eu, Francisco Fernando (FORÇA SINDICAL) e Inês Dolzane (SINDSAUDE). A cidade estava agitada. A Câmara Municipal promoveu uma sessão especial que contou com a presença da Secretária de Saúde, políticos locais e da região, entidades da sociedade civil. Participei da mesa de debates representando o SINDMEPA. A população encheu as galerias. O debate foi “quente” e nos forneceu muitos subsídios. Durante dois dias visitamos o hospital duas vezes, reunimos com o Conselho Municipal de Saúde. Eu participei de reunião dos médicos do hospital com a Secretária de Saúde.
Compus um relatório que foi aprovado pela Comissão de Gestão. Encaminhei-o ao CES para ser incluído na pauta da reunião ordinária de dezembro. O parecer foi distribuído a todos os membros do CES para que estes tivessem conhecimento antes da reunião. No dia da reunião, 15 de dezembro, publiquei o segundo post a que me refiro no início deste artigo. Nesta publicação disponibilizei link para o relatório que o Conselho discutiria neste dia. (Parecer 001 Hospital Oeste do Para FINAL – DEZ 2009)
Encaminhei e-mail para alguns amigos e todos os conselheiros estaduais de saúde informando o novo post.
Durante a reunião, conselheiros “conectados” tomaram conhecimento do post e acessaram o blog. O plenário foi informado que eu havia disponibilizado o parecer aprovado na comissão de gestão. Instaurou-se a celeuma. Uns achando legítima minha atitude. Outros a condenando. Estes, partindo do pressuposto de que como o conteúdo ainda não havia sido apreciado pelo plenário não poderia ser publicitado.
Em missão fora do estado, não compareci a reunião. Dr. Luis Sena, meu suplente, ficou em “palpos de aranha”. Por fim, o plenário do CES não apreciou o parecer que estava na pauta. Deliberou encaminhar ofício ao SINDMEPA questionando minha atitude. (Ofício CES BLOG)
A diretoria do SINDMEPA discutiu o assunto e documento-resposta foi enviado ao CES no dia 29 de dezembro de 2009. Assinado por vários diretores, o documento manifesta a posição da entidade e solicita que o assunto seja discutido na reunião ordinária do CES do mês de janeiro de 2010. (SINDMEPA 519-2009 – CES – RESPOSTA AO CES – blog)
O imbróglio foi incluído na pauta como último assunto a ser debatido. Foi colocado em discussão por volta de 14h. Li o texto do e-mail, o conteúdo do post e o ofício do SINDMEPA. Defendi minha posição. Ofereci explicações. O debate correu solto.
A reunião havia iniciado às 9h. Devido a inversão da pauta, ainda haviam dois pontos a apreciar: que ocorrer e informes. Os conselheiros famintos. O debate não dava mostras de arrefecer. Nesta situação, o plenário decidiu por continuar o debate e deliberar somente na reunião ordinária de 09 de fevereiro.
Fechando o post. Agi conforme minhas concepções de ética, cidadania, controle social em saúde, interesse público. Posso estar errado. Quero debater o assunto também fora do plenário do CES. Antes da reunião de fevereiro. Aqui é um bom espaço.
O mérito do debate é: Posso divulgar tudo o que tomar conhecimento no exercício do meu mandato de conselheiro estadual de saúde? Ou só aquilo que for aprovado pelo plenário do CES? Qual a sua opinião?


Bookmark and Share


Bookmark and Share

Hospital Metropolitano sob investigação

04/01/2010 às 0:05 | Publicado em Política, Saúde | 2 Comentários
Tags: , , , , ,

A situação do Hospital Metropolitano de Urgência e Emergência merece reflexão e esclarecimentos. Reflexão sobre o modelo de gestão proposto pelo PSDB e abraçado pelo PT. Para lá e para cá sobram acusações explicitas ou veladas. Na terça feira 29/12 o governo estadual publicou no Diário Oficial do Estado matéria informando que quitou completamente a dívida com a ACEPA (leia-se CESUPA) que é a “Organização Social” que administra o hospital. A matéria solta farpas para todos os lados. Para o governo anterior e para a ACEPA. Diz que o governo Jatene deixou dívida de 8 milhões para com o hospital e que o governo Ana Julia vinha pagando desde 2007. Acusa a ACEPA de não pagar a energia e a água consumida no hospital. O Conselho Estadual de Saúde começa hoje a investigar através da Comissão de Acompanhamento da Gestão Estadual. O SINDMEPA mandou ofício para o CES pedindo para que a situação do Metropolitanos seja discutida na próxima reunião do colegiado. O Hospital é muito importante para toda a região metropolitana e precisa funcionar bem. Vou propor à Comissão de Gestão que façamos uma visita ao hospital. Enfim, vamos esclarecer o que está acontecendo visando garantir a qualidade do atendimento e o acesso da população à Emergência em trauma.

Contrato de Edmundo Gallo tem oito meses de vigência

11/10/2009 às 0:01 | Publicado em Cidadania, Política, Saúde | Deixe um comentário
Tags: , ,

Hoje, dia do Círio de Nossa Senhora de Nazaré, é uma boa oportunidade para exercitar a cidadania.
Lembro, novamente, qual grilo falante e para evitar que caia no esquecimento.
Republico parte do texto do post publicado em fevereiro de 2009:

“O Diário Oficial do Estado, na edição de quarta feira 11 de fevereiro de 2009, Executivo 1, página 9, publicou a contratação de Edmundo Gallo, médico e ex-Secretário Municipal de Saúde de Belém. O objeto: “A contratação direta de Profissional Especializado em Concepção, Implantação e Acompanhamento de Planejamento e Gestão Estratégica na Área da Saúde”. O contrato tem vigência no período de 06/02/2009 a 05/02/2010 e tem o valor total de R$ 506.346,00, exatos R$ 42.195,50 mensais.”

Bem, na execução do contrato o referido profissional já embolsou exatos R$ 337.564,00. Nada mal para oito meses de árduo trabalho.

Feliz Círio cidadão para tod@s. Que Nossa Senhora nos ilumine para nunca desistirmos de nossos ideais e perseverar no penoso exercício da cidadania.

Próxima Página »

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.