Cidade de Altamira a beira do colapso

07/04/2013 às 18:09 | Publicado em Movimento médico, sindmepa, Waldir Cardoso | 3 Comentários
Tags: , , , , , , , , , , , , , ,

AltamiraEsta semana estive no município de Altamira, sudoeste do Pará, dando continuidade aos trabalhos de interiorização do SINDMEPA aprovado no Planejamento Estratégico. Fui recebido pelo nosso delegado sindical no município Eduardo Bezerra dos Anjos. Destaco alguns pontos da visita.

         Visitamos o hospital municipal São Rafael que, com a mudança de governo municipal, esta sob a direção da administradora Cátia Luciano. É o pronto socorro da cidade. A Norte Energia doou vários equipamentos para o hospital e está repassando cerca de R$ 200.000,00 para o custeio da unidade, todos os meses. Com a verba e os equipamentos a direção colocou em funcionamento mais uma sala de cirurgia, contratou mais médicos ampliando os atendimentos de Emergência. Dos médicos ficam na sala de emergência e cirurgias traumato-ortopédicas passaram a ser realizadas no hospital. Há boa colaboração entre as equipes médicas e o Hospital Regional facilitando a transferência de pacientes após estabilização, quando há necessidade. Em termos de remuneração há defasagem nos valores pagos, particularmente, aos quatro anestesistas contratados. Estes ainda sofrem com a sobrecarga de trabalho. Contratados para atuar nas cirurgias de emergência estão também dando cobertura nas intervenções eletivas. O hospital não estava superlotado. Nem a emergência abarrotada. O auditório do hospital está foi desativado na administração anterior para ser transformado em UPA (?) liberando a estrutura da Unidade do Mutirão para a Norte construir um hospital. A mudança não foi efetivada e o uso do auditório, perdido. Os médicos tem um contrato assinado, mas não tem carteira de trabalho regularizada. Não tem férias ou outros benefícios sociais. DSC04271

         Estivemos na UPA do mutirão localizada em bairro afastado, servido por ruas sinuosas, não asfaltadas e de difícil acesso por carro. A estrutura é grande. Largos corredores com pouca iluminação, paredes com infiltração e poucos equipamentos e servidores. Aspecto de abandono. Apesar disso o único médico de plantão nos informou que faz uma média de 50 atendimentos por turno. Não tem ambulância própria. Havia apenas dois pacientes em observação. O aparelho de RX está funcionando e o pequeno laboratório faz exames básicos. A Unidade está, claramente, subutilizada.

         No mesmo prédio funciona o Instituto Médico Legal de Altamira. Apesar de antigo, é uma construção sólida, com salas amplas e largos corredores. Existem apenas quatro médicos legistas atendendo na unidade. Apenas uma sala está em funcionamento para a administração, guarda de materiais apreendidos e exames de corpo de delito. Quando um exame tem que ser feito os servidores administrativos saem da sala para que os médicos tenham privacidade no seu trabalho. Existe, em toda a unidade, apenas um computador em funcionamento e que é, naturalmente, compartilhado por todos. Há uma sala reservada apenas para exames sexológicos. Sala de necropsia com apenas uma mesa de exames, mal iluminada e com poucos equipamentos de trabalho. Não vi raio X. Não há laboratório para a criminalística.

                  Na Assembleia Geral realizada no auditório da Delegacia do Conselho Regional de Medicina compareceram 10 médicos. Um número razoável, considerando que a cidade tem 79 médicos registrados no CRM. Foram discutidos os impactos da usina na atenção à saúde do município, condições de trabalho e a luta pela Carreira. Esclareci dúvidas sobre a Carreira Estadual de base municipal e sobre o direito de greve. Discorri sobre a importância do fortalecimento do Sindicato, as vantagens de ser associado e os serviços da entidade. Um colega perguntou o porquê de municípios se recusarem a contratar médicos como pessoa jurídica. Expliquei a ilegalidade desta forma de contratação e os prejuízos em termos de direitos sociais. Médico denunciou que a nova administração do município de Brasil Novo não pagou os proventos correspondentes ao mês de dezembro a quatro médicos do Saúde da Família. Pedi que enviassem cópia dos documentos para tomarmos providências. Um colega informou que o Consórcio Belo Monte precisa contratar de 10 médicos (1 médico do Trabalho e 10 Clínicos).

DSC04273Também visitei o Hospital Regional Público da Transamazônica e fomos recebidos pelo Secretário Municipal de Saúde, Waldecir Maia. Fomos duas vezes ao Ministério Público, mas não encontramos promotores na cidade.

Altamira foi invadida por mais de 15.000 trabalhadores para a construção da Usina de Belo Monte. Mais 15.000 trabalhadores são esperados para Belo Monte e 7.000 de uma mineradora canadense que vai explorar jazida de ouro descoberta, recentemente. O custo de vida subiu de forma estratosférica. Da alimentação aos alugueis. A cidade, antes pacata, está coalhada de carros e motos. Há epidemia de trauma por acidentes. Nenhuma infraestrutura urbana foi providenciada. O sistema de saúde opera no limite de sua capacidade. As duas unidades hospitalares prometidas pelo governo federal continuam sendo promessas. Ao Secretário Municipal de Saúde, em nome do SINDMEPA, coloquei nossa entidade a disposição na luta por mais recursos para a cidade e para a região. Entendo que a situação é preocupante. A construção de Belo Monte será importante fonte de energia para o desenvolvimento do país. Mas está a produzir efeitos devastadores, não só para as tribos indígenas, mas também para toda a população altamirense.

Quem faz parte do Conselho Nacional de Saúde?

14/02/2013 às 17:11 | Publicado em Cidadania, Movimento médico, Saúde | 1 Comentário
Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , ,
Novos conselheiros em foto de Rafael Bicalho

Novos conselheiros em foto de Rafael Bicalho

A pergunta é pertinente. Recentemente, recebi esta indagação e pensei que a resposta estava no site do Conselho Nacional de Saúde. Não está. Até o momento, dia 14 de fevereiro de 2012, passados dois meses da posse, não se encontra esta informação no site do CNS (eu não encontrei…). Corri atrás da informação e a encontrei na Portaria nº 2.814-GM-MS, de 12 de dezembro de 2012. É a portaria que oficializa o resultado da eleição para o novo corpo de Conselheiros do CNS para o mandato 2012-2015. Confira AQUI ou Portaria nº 2.814-GM-MS, de 12 de dezembro de 2012. Creio que em breve a informação estará disponível no site do Conselho Nacional de Saúde.

Fonte: Jus Brasil                                            

Comissão de Fiscalização quer concluir novo roteiro de vistoria de consultórios até dezembro

12/11/2010 às 0:08 | Publicado em Movimento médico | Deixe um comentário
Tags: , , , , , , , , , ,

A Comissão de Fiscalização do Conselho Federal de Medicina (CFM) reuniu-se na quinta-feira, 04/11 para avançar nos trabalhos de aprimoramento do manual de fiscalização do exercício da Medicina. Uma das principais atividades da Comissão durante o encontro foi efetuar mudanças no roteiro de vistoria de consultórios básicos e de especialidades.

O roteiro é um guia para verificação da existência de materiais e equipamentos estruturais e de uso diário e de condições de higiene e acessibilidade. O objetivo da Comissão é concluir as alterações no roteiro de vistoria até 1º de dezembro. Neste primeiro momento, serão apresentadas as estruturas de consultórios, básico e de especialidades, ambulatórios e policlínicas.As sociedades nacionais de especialidades foram convidadas a contribuir com a atualização do manual; as sugestões encaminhadas estão sob análise da Comissão.

Participaram da reunião os membros Eurípedes Mendonça, Cremilda Figueiredo, Antonio Celso Ayube, Donizete Giamberardino e Marta Muller, além dos representantes da Confederação Nacional de Saúde (CNS), Olympio e João Lucena.

Fonte: CFM

MEC põe em discussão novo marco regulatório da Residência Médica

07/10/2010 às 17:09 | Publicado em Movimento médico | Deixe um comentário
Tags: , , , , , , ,

O presidente da Federação Nacional dos Médicos, Cid Carvalhaes, participou na quarta-feira (6/10) de reunião com a secretária de Educação Superior do Ministério da Educação, Maria Paula Bucci, para debater o marco regulatório da residência médica. Uma minuta de um decreto apresentada pelo Ministério da Educação (MEC) prevê mudanças na prática das avaliações nos processos de renovação, fiscalização, autorização e abertura de novos programas de residência, além de alterar a atual composição da Comissão Nacional de Residência Médica, responsável por essas avaliações. A minuta do decreto também descaracteriza o controle da residência médica, realizado exclusivamente por médicos, e inclui novos membros do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS) e Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (CONASEMS) na comissão.

Representantes da FENAM, bem como do Conselho Federal de Medicina, manifestaram, durante a reunião, a preocupação das entidades médicas em relação ao assunto e vão apresentar sugestões para que a qualidade do ensino médico do país não seja prejudicada com a adoção de novas regras. Cid Carvalhaes informou que representantes do Ministério da Educação se mostraram receptivos às preocupações e sugestões das entidades médicas.

O encontro também contou com a presença da Secretária Executiva da Comissão Nacional de Residência Médica, Maria do Patrocínio, do vice-presidente do Conselho Federal de Medicina, Carlos Vital, e de diretores da Associação Brasileira de Ensino Médico e de hospitais de residência.

Fonte: FENAM

Vamos errar de novo?

07/09/2010 às 0:05 | Publicado em Política | Deixe um comentário
Tags: , , , , , , ,

por FERREIRA GULLAR, artigo publicado na Folha de SP em 05-09-2010

FAZ MUITOS ANOS já que não pertenço a nenhum partido político, muito embora me preocupe todo o tempo com os problemas do país e, na medida do possível, procure contribuir para o entendimento do que ocorre. Em função disso, formulo opiniões sobre os políticos e os partidos, buscando sempre examinar os fatos com objetividade.
Minha história com o PT é indicativa desse esforço por ver as coisas objetivamente. Na época em que se discutia o nascimento desse novo partido, alguns companheiros do Partido Comunista opunham-se drasticamente à sua criação, enquanto eu argumentava a favor, por considerar positivo um novo partido de trabalhadores. Alegava eu que, se nós, comunas, não havíamos conseguido ganhar a adesão da classe operária, devíamos apoiar o novo partido que pretendia fazê-lo e, quem sabe, o conseguiria.

Lembro-me do entusiasmo de Mário Pedrosa por Lula, em quem via o renascer da luta proletária, paixão de sua juventude. Durante a campanha pela Frente Ampla, numa reunião no Teatro Casa Grande, pela primeira vez pude ver e ouvir Lula discursar.

Não gostei muito do tom raivoso do seu discurso e, especialmente, por ter acusado “essa gente de Ipanema” de dar força à ditadura militar, quando os organizadores daquela manifestação -como grande parte da intelectualidade que lutava contra o regime militar- ou moravam em Ipanema ou frequentavam sua praia e seus bares. Pouco depois, o torneiro mecânico do ABC passou a namorar uma jovem senhora da alta burguesia carioca.

Não foi isso, porém, que me fez mudar de opinião sobre o PT, mas o que veio depois: negar-se a assinar a Constituição de 1988, opor-se ferozmente a todos os governos que se seguiram ao fim da ditadura -o de Sarney, o de Collor, o de Itamar, o de FHC. Os poucos petistas que votaram pela eleição de Tancredo foram punidos. Erundina, por ter aceito o convite de Itamar para integrar seu ministério, foi expulsa.

Durante o governo FHC, a coisa se tornou ainda pior: Lula denunciou o Plano Real como uma mera jogada eleitoreira e orientou seu partido para votar contra todas as propostas que introduziam importantes mudanças na vida do país. Os petistas votaram contra a Lei de Responsabilidade Fiscal e, ao perderem no Congresso, entraram com uma ação no Supremo a fim de anulá-la. As privatizações foram satanizadas, inclusive a da Telefônica, graças à qual hoje todo cidadão brasileiro possui telefone. E tudo isso em nome de um esquerdismo vazio e ultrapassado, já que programa de governo o PT nunca teve. CONTINUA: VAMOS ERRAR DE NOVO – Ferreira Gullar.

SIMEPE tem novo presidente

08/04/2010 às 0:05 | Publicado em Movimento médico | Deixe um comentário
Tags: , , , , , ,

“O Simepe tem novo presidente. Eleito em chapa única “Participação e Luta”, no último dia 25/03, o médico pediatra Silvio Rodrigues, formado pela Universidade de Pernambuco (UPE), em 1992,no Recife. Possui residência médica em Pediatria no Instituto Materno Infantil de Pernambuco (IMIP), com títulos de especialista em Pediatria pela Sociedade Brasileira de Pediatria/Associação Médica Brasileira e de especialista em Medicina Intensiva com Habilitação em Medicina Intensiva Pediátrica/Associação de Medicina Intensiva Brasileira/Sociedade Brasileira de Pediatria.

Silvio é médico diarista da UTI Pediátrica do IMIP e coordenador da UTI de Oncologia Pediátrica do Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira-IMIP e médico plantonista da UTI Pediátrica do HR, além de pertencer a equipe de pediátrica da unidade da criança/Memorial São José.

Participou do movimento estudantil entre 1986 a 1992 ao lado  de André Longo, Mozart Sales, Carlos Eduardo Padilha, Otávio Valença, Paula Machado, Fernando Cabral, Jailson Correia e Mecciene Mendes construindo histórias de lutas em defesa da UPE e dos estudantes de medicina. É preciso destacar que neste período ocorreu a unificação da Fesp e transformação na Universidade de Pernambuco (UPE), além das primeiras eleições diretas para reitor, diretores de faculdades e diretores dos hospitais universitários.

Ao longo de 10 anos vem lutando no movimento sindical médico, exercendo cargos na diretoria do Simepe como diretor de relações interinstitucionais, secretário-geral e vice-presidente. “Pautamos nossa luta  determinação, compromisso, responsabilidade e, sobretudo, respeito aos médicos,  às entidades médicas, bem como à população que necessita de atendimento de saúde digno”, enfatizou.

Entre as principais propostas da nova gestão: fortalecimento do movimento médico nos municípios, lutando pela desprecarização dos vínculos, através de  uma carreira municipal  estatutária, pela manutenção da luta e defesa da gestão pública nos hospitais estaduais.

Fonte: Chico Carlos & Natália Gadelha (Assessoria de Imprensa do Simepe)

Desejo ao colega e amigo sucesso a frente do combativo Sindicato doa Médicos de Penambuco.

Waldir Cardoso

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.