Reunião Pró-SUS aborda salário do médico e carreira especial do SUS

17/11/2010 às 16:24 | Publicado em Movimento médico, Waldir Cardoso | 3 Comentários
Tags: , , , , , , , ,

A Comissão Pró-SUS, formada por integrantes da Federação Nacional dos Médicos, do Conselho Federal de Medicina e da Associação Médica Brasileira se reuniu no dia 17 de novembro para discutir ações relevantes para o movimento médico.

Um dos assuntos abordados foi o Projeto de Lei 3.734/08, que estabelece o salário mínimo dos médicos e cirurgiões-dentistas do setor privado em R$ 7.000,00. O relator do projeto, deputado José Guimarães (PT/CE), foi convidado para a reunião, mas não pode comparecer devido a compromissos na Câmara.

O assessor parlamentar da Comissão, Napoleão Puentes, que também participou da reunião, fez um breve parecer sobre as perspectivas das ações da Frente Parlamentar da Saúde da Câmara dos Deputados. Uma reunião com o presidente da Frente, deputado Darcísio Perondi (PMDB/RS), será agendada pelos membros da Pró-SUS ainda este ano.

Durante o encontro, também foram apresentadas as informações preliminares da Comissão Especial do Ministério da Saúde para criação da Carreira Especial para Fixação de Profissionais de Saúde em áreas de difícil provimento e/ou acesso. A princípio, a carreira terá como prioridade a fixação de médicos, cirurgiões-dentistas e enfermeiros na atenção básica e em áreas de difícil acesso e provimento no âmbito do Sistema Único de Saúde.

As estratégias, estipuladas durante a reunião, serão apresentadas à diretoria das entidades médicas para que sejam efetivamente aprovadas. A Comissão definiu ainda que voltará a organizar os Fóruns Regionais Pró-SUS, propondo realizar um por semestre em cada região.

Fonte: FENAM (Taciana Geisel) e CFM.

Anúncios

3 Comentários »

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

  1. Olá Waldir!
    Fiquei contente em vê-lo nesta função: tentar, através de toda sua experiência nos meandros das Políticas Públicas de Saúde, colaborar para que o problema da “Demanda x Fixação” do profissional de Saúde nos rincões do nosso país e principalmente da Amazônia seja solucionado.
    Já está mais do que na hora, já passou do ponto, todas as discussões já se esgotaram, “Inês é morta”, não aguentamos mais tantos discursos, todos sabem, e os mortos contatam diariamente “a distãncia é ingrata”. O fato é: o Governo Federal tem na Carreira do SUS a derradeira oportunidade de tapar a fenda maior do desenlace da Saúde neste país, “Saúde para todos”, mas para todos mesmo, na vera, sem subterfúgios. Se a premissa é verdadeira? Que tal incluir os Distantes, na acepção da palavra, que tal abandonar os silogismos e partirmos para os finalmente, que tal levar em consideração o involume ou não volume de recursos necessários e não recebidos pelos municípios para providenciar saúde aos seus cidadãos. Eles precisam de ajuda, nós de respeito e valorização.
    Confio em você como Amazônida e como baluarte dessa campanha. Aperreie a “Comissão Especial do Ministério da Saúde para criação da Carreira Especial para Fixação de Profissionais de Saúde em áreas de difícil provimento e/ou acesso”, ufa! Coitadinhos de nós! Que Deus ilumine tão benevolentes mentes.
    Viajante deste mundo chamado Pará, preocupo-me, e mais que isso, sinto obrigação de colaborar, começo através deste incentivo, sucesso amigo.
    A sua disposição sempre.
    João Batista da Conceição Santos
    CD – Servidor do Ministério da Saúde e membro do CAE – Comitê de Articulação Estadual do Programa Territórios da Cidadania.
    Email: vilamartins70@hotmail.com

    • Salve João!
      Estamos nesta luta. Hj mesmo estou em reunião da Comissão Especial aqui no Ministério da Saúde. Concordo com vc. Chegamos – ou passamos – do limite da irresponsabilidade. Temos que salvar o SUS. Lutar pelo SUS Constitucional. Saúde para todos. Com qualidade. Nós merecemos. Mais. Temos direito! Forte abraço.

  2. o salário de um médico em petropolis, governado pelo PT, é de 920 reais. os medicos estao em greve e nem são recebidos pelo prefeito que era sindicalista. upas abertas não tem equipes completas nem pediatras. ambulatorios nao tem endocrinologistas, mastologistas, nefrologistas, otorrinos, ofltamos, reumatologistas, geriatras, pediatras, etc. etc. a populacao de tao cansada nao reclama como deveria. é preciso valorizar a carreira para salvarmos o sus. chega de exploração.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: