Entrevista com Roberto D´Avila

02/01/2010 às 0:01 | Publicado em Movimento médico, Política | 2 Comentários
Tags: , , ,

Excelente entrevista publicada ontem no Jornal do Brasil. O Presidente do CFM aborda temas como Ato Médico, Médicos e a Saúde Suplementar, SUS, Estratégia Saúde da Família.

Presidente do Conselho Federal de Medicina afirma que população que tem plano de saúde sofrerá com a greve dos especialistas que pressionarão convênios por melhores pagamentos

Luciana Abade

O Ato Médico, projeto que regulamenta o exercício da Medicina no Brasil, chegou ao Senado depois de passar pela Câmara pouco antes do recesso parlamentar.

O Conselho Federal de Medicina comemora o avanço na tramitação. Presidente recémeleito do órgão, o cardiologista Roberto d”Ávila garante que a afirmação de que a regulamentação vai fazer com que os profissionais de saúde fiquem sob a tutela dos médicos é intriga.

Principalmente dos fisioterapeutas que querem diagnosticar. Na entrevista a seguir, o presidente denuncia que os médicos têm abandonado o Programa Saúde da Família e os gestores estão colocando enfermeiras e até técnicos em enfermagem para ocupar as vagas. E prevê ainda que 2010 será um ano marcado pela paralisação dos médicos que atendem por planos de saúde.
A crítica dos profissionais de saúde de que a aprovação do ato médico fará com eles fiquem sob a tutela dos médicos procede?

– Não, não procede, isso é um equívoco. Na verdade é um equívoco mal intencionado. Porque algumas lideranças de algumas profissões da área da saúde têm interesse em que não haja regulamentação da medicina. Enquanto não houver regulamentação poderão avançar sobre o campo tanto teórico quanto prático da medicina. A hora que você estabelece uma regulamentação e diz o que é privativo, e nós estamos dizendo que é privativo o diagnóstico e o tratamento das doenças, eles disseminam um equívoco no sentido de dizer que nós vamos acabar com a integralidade do SUS, que nós vamos impedir as outras profissões de trabalharem, que nós vamos mandar em todas as profissões, que todo paciente terá que passar primeiro pelo médico para depois ir neles, quando na verdade não fomos nós que dissemos isso. O que diz isso é a lei. A lei dos fisioterapeutas, por exemplo, diz que é privativo do fisioterapeuta aplicar métodos fisioterápicos. A lei não diz que eles podem fazer o diagnóstico e que eles podem fazer tratamento por conta própria. O que os fisioterapeutas querem? Não querem que a pessoa vá mais no médico. Querem que a pessoa vá neles para que eles então determinem que tipo de fisioterapia fazer. Isso não tem o menor sentido.

Então, da nossa parte, nós estamos trabalhando com a consciência tranquila de que estamos querendo algo que protege a sociedade, que não é corporativismo.

Continua: Entrevista com Roberto D´Avila Jan 2010

Fonte: Jornal do Brasil 01/01/2010

Anúncios

2 Comentários »

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

  1. Muito oportuna a entrvista do Roberto neste início de ano. Mostra que CFM, FENAM, AMB e demais entidades médicas vão ter muito trabalho e é importante que nossa categoria se una cada vez mais e encare com seriedade essas questões referentes ao ato médico, a promoção, o financiamento e o gerenciamento da Saúde em nosso país; a gente tem que criticar as ações onerosas e inúteis propondo alternativas e incentivar com participação naquelas que possam elevar o nível de saúde do nosso povo e as condições de trabalho de nossa categoria. Faço parte da Câmara Técnica de Saúde da Famíla e Comunidade, junto com o CFM, e entendo que este programa, bem administrado, com equipes completas com profissionais bem remunerados e com planos de carreira, será a melhor forma de promover a saúde e fixar médicos em locais que deles necessitam.

  2. Apesar de tão renomado cardiologista, o dr. Roberto d’Ávila é bem ignorante em relação à regulamentação e atuação das outras profissões de saúde. Fisioterapeutas dão diagnóstico cinesiológico-funcional, não diagóstico nosológico médico. Não entendo o que ele quer dizer com “A lei não diz que eles podem fazer o diagnóstico e que eles podem fazer tratamento por conta própria.”: É isso mesmo? Ele quer que os médicos prescrevam o tratamento FISIOTERAPÊUTICO? Querem tornar as profissões de saúde meros capachos, seres sem pensamento crítico, apenas executores? Isso me lembra o fantasma da Ditadura Militar, aonde ninguém podia usar os próprios miolos. Quem entende de Medicina são os médicos, quem entende de Fisioterapia são os fisioterapeutas. Simplesmente comentários e afirmações ridículas. Mas a luta pela dignidade salarial médica é digna.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: